Fundação Clóvis Salgado promove 1ª edição do Congresso de Dança de Salão Contemporânea

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

A Fundação Clóvis Salgado (FCS), por meio do Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart), promove o 1° Congresso de Dança de Salão Contemporânea: Gênero e Diversidade na Dança de Salão.

O congresso contará com palestras, debates, mesas redondas, oficinas de dança, espetáculos, uma mostra de dança aberta e bailes de confraternização entre os participantes.

Trata-se do primeiro evento de grande porte dedicado à modalidade no Brasil, com uma proposta de visão investigativa da arte e do aprimoramento técnico, tanto em pesquisa quanto na prática de processos criativos. As inscrições serão realizadas em formulário disponível no site da FCS. Ao todo, o congresso dispõe de 80 vagas.

Crédito: Cassio Conde

O tema da edição busca fortalecer as práticas e o pensamento crítico no contexto da dança de salão contemporânea, com participação de grupos e palestrantes LGBTQ e feministas.

Com curadoria e criação de Samuel Samways, bailarino e pesquisador do Programa de Residência para Pesquisas Artísticas do Cefart, o Congresso faz parte da área de pesquisa em Condução Compartilhada de Dança de Salão e foi desenvolvido para fomentar a pesquisa, valorizar pedagogias e movimentos artísticos que criam espaços de visibilidade para corpos heterogêneos, para a emancipação das mulheres e os diversos gêneros e sexualidades, promovendo uma experiência imersiva de residência.

Segundo o coordenador do Programa de Residência Artística do Cefart, Fabrício Martins, a condução compartilhada, que coloca homens e mulheres na mesma condição, ressignifica os papeis de gênero na dança de salão tradicional.

“O que a pesquisa do Samuel levanta é que a condução exclusivamente masculina acaba construindo uma relação de poder no campo da dança. Muitas vezes percebemos que há mais professores homens do que mulheres e que existe uma disparidade salarial numa modalidade artística de maioria feminina. Isso está diretamente atrelado à uma opressão de gênero”, comenta.

A abordagem contemporânea da dança de salão repensa a prática como atividade social e artística, com potencial para dialogar com outras linguagens, como a improvisação cênica, evidenciando os papeis de gênero patriarcais presentes na modalidade.

“Na dança de salão contemporânea a proposta do estímulo de movimento pode vir de qualquer pessoa. Quem capta alguma nuance da música ou do movimento e percebe que dali pode surgir um movimento novo pode induzir esse movimento no seu par, independentemente se é homem ou mulher. Assim, a dança se dá de forma compartilhada, como numa conversa”, complementa Fabrício Martins.

Para o coordenador, o evento desenvolve questões urgentes no cotidiano da dança e oferece novas perspectivas para a modalidade, e, por isso, há muita expectativa para que o congresso seja um sucesso.

“Percebemos que a opressão de gênero é um assunto muito discutido principalmente nas redes sociais, mas a tradição na dança é muito forte e faz com que não exista espaço para discutir nesse contexto, por isso há interessados de diversas partes do Brasil em participar e contribuir”, comenta. “O Congresso proporciona esse espaço e abre as possibilidades para a Dança de Salão. A mulher pode conduzir ou ser conduzida se quiser, e o homem pode ser conduzido ou conduzir se quiser”, explica Fabrício.

 

Crédito: Cassio Conde

Destaques da programação

As oficinas ministradas durante o Congresso abordam temas contemporâneos, como a contestação de estereótipos heteronormativos, conexão e reciprocidade, formas mais igualitárias de condução, visibilidade LGBTQ e pesquisas artísticas na dança de salão.

Os convidados do congresso possuem forte envolvimento com o tema, e destacam-se, na programação do Teatro João Ceschiatti, nomes como Laura James, mulher trans e proprietária da Ata-me, a primeira academia de dança de salão queer do Brasil. A bailarina ministrará oficinas, palestras, mesas de debate e uma edição especial do Forró Queer, além da palestra Educar para e pela diversidade na dança de salão.

O grupo BeHoppers, que promoverá um debate a respeito do Lindy Hop como um percurso para uma dança sem estereótipos de gênero se destaca em Belo Horizonte na luta contra o machismo na dança de salão. Já a mesa redonda Novos rumos para a dança de salão contará com a participação de Samuel Samways, Debora Pazetto, Laura James, Carolina Polezi, Fernanda Conde e Marina Coura.

Outros destaques da programação são a experimentação do processo criativo do espetáculo Salão, do coletivo baiano Casa 4. A montagem é baseada na identidade homossexual no meio da dança de salão, abordando os preconceitos velados e as microviolências diárias vividas pelos bailarinos. Será realizada, também uma oficina de condução compartilhada pela dançarina Carolina Polezi, de Campinas, além de mostras de Tango e Dança de Salão Queer.

O evento traz, ainda, a palestra Condução Mútua – rompendo com estruturas hierárquicas e papéis definidos por gênero, ministrada por Samuel Samways e Débora Pazetto, bailarina, pesquisadora e coordenadora do Grupo de Pesquisa em Gênero, Trabalho e Tecnologia (Gentte).

Clique aqui para conferir a programação completa.

Serviço:

1º Congresso de Dança de Salão Contemporânea: Gênero e Diversidade na Dança de Salão 

Data: 27, 28 e 29 de abril (sexta, sábado e domingo)
Horário: 13h30 (abertura)
Local: Teatro João Ceschiatti, Cefart e locais parceiros
Endereço: Av. Afonso Pena, 1537 – Centro
Inscrições: www.fcs.mg.gov.br
Classificação: 16 anos

Informações para a imprensa:

Assessoria de Comunicação da FCS

(31) 3236-7419 | (31) 3236-7378 | (31) 3236-7381 

FONTE: Agência Minas

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.