Feitio da Pamonha é aprovado como patrimônio cultural de Patos de Minas

O Conselho Deliberativo de Patrimônio Histórico e Cultural (Condepahc) reconheceu o processo como pertencente ao patrimônio cultural do município em reunião realizada no último dia 12.

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Foto: Divulgação

A pamonha é uma iguaria feita do milho verde, muito apreciada no Brasil, especialmente no estado de Minas, nas terras do “Sertão das Gerais”, onde fica o município de Patos de Minas. É um alimento de origem nativa (indígena). A palavra surge na língua tupi, pa’muñã, que significa um alimento pegajoso. O Feitio da Pamonha foi incorporado à culinária dos colonos portugueses e escravos africanos ao longo da história.

De acordo com Geenes Alves, diretor de Memória e Patrimônio Cultural (Dimep), a pamonha vai além de uma simples iguaria deixada como herança pelos índios. O ato de fazê-la ganhou importância cultural em nossa sociedade, uma vez que representa um momento de sociabilidade e confraternização entre família e amigos. O Feitio da Pamonha é um saber cultural rico e que identifica o povo patense. No campo ou na cidade, a tradição permanece e se fortalece cada vez mais.

Foto: Divulgação

Ao trabalho totalmente artesanal de antes foram inseridas práticas e equipamentos técnicos, ora visando facilitar a operação e otimizar o tempo, ora procurando atender o impaciente e crescente mercado consumidor. Nesse novo cenário, vimos com frequência a inserção de máquinas que realizam parte das atividades do processo, como ralar e coar o milho, por exemplo.

Apesar dessas novidades, naturais num mundo em constante transformação, o jeito de fazer pamonha permanece, sobretudo em seu aspecto físico, sabores e misturas tradicionais, salvo pequenos detalhes, como a inclusão da gominha elástica para “amarrio” no empalhamento da massa, assim como também a inclusão de novos sabores, a exemplo do chocolate, para atender exigentes paladares.

Por seu modo de fazer estar profundamente enraizado no cotidiano da comunidade local, por seu notório valor de tradição secular e por ser, reconhecidamente, uma legítima manifestação da cultura imaterial do município, o processo de registro do Feitio da Pamonha, elaborado pela equipe técnica da Dimep, com participação e apoio dos grupos detentores, foi aprovado pelo Condepahc, em sua 246ª reunião, realizada no dia 12 de novembro de 2019, na sede do Museu Municipal – Casa de Olegário Maciel.

Foto: Divulgação

Justa homenagem à pamonha, derivada desse importante e prestigiado cereal de Patos de Minas, o milho, que destaca o município nos cenários estadual e federal, com as seguintes honrarias:

1. Criação da Festa do Milho, em 1956, tornada Festa Nacional do Milho (Fenamilho) em 1965, por meio do Decreto Presidencial n° 56.286;

2. Criação da Comenda Antônio Secundino de São José, em 1991, via Lei nº 10.573 (Decreto de Regulamentação nº 33.473/1992), do governo de Minas Gerais, para homenagear personalidades que contribuem para o desenvolvimento da agropecuária brasileira, celebrada durante a Fenamilho;

3. Instituição do dia 24 de maio, aniversário da cidade de Patos de Minas, como Dia Nacional do Milho, por meio da Lei nº 13.101, em 2015.

O processo de registro será enviado para análise e aprovação do Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG). Sendo aprovado, o município passa a ter 6 (seis) bens registrados, quais sejam: municipal (Dimep): Folias de Reis e Feitio da Pamonha; estadual (Iepha): Folias de Reis e Viola e Violeiros; e federal (Iphan): Capoeira e Queijo Artesanal.

Geenes ressalta ainda que, além do reconhecimento, pela sociedade civil e pelo poder público, do significado desse saber cultural para a identidade de Patos de Minas, o registro do Feitio da Pamonha viabiliza significativo aporte financeiro do estado para o município, por meio da Lei de Incentivo ao Patrimônio Cultural (nº 18.030/2009), popularmente conhecida como Lei Robin Hood – ICMS Patrimônio Cultural. A pontuação do município muda de 2 (dois) para 3 (três) pontos, aumentando o repasse do governo estadual para Patos de Minas em aproximadamente R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil) reais por ano, para investimento no patrimônio cultural local.

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.