Falcão condena conchavos, fala em intimidação e prega pulso firme com a COPASA

Candidato a prefeito foi entrevistado no Programa Entrelinhas na última terça-feira (06/10).
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Luís Eduardo Falcão, candidato a prefeito pelo PODEMOS, foi entrevistado no Programa Entrelinhas do Patos Notícias. No início de sua participação ressaltou sua origem e o fato de não ter nascido em berço de ouro. Também bateu na tecla de que não irá fazer conchavos, ou seja, trocar cargos por apoio político. Questionado a respeito dos demais candidatos, que também defendem a mesma linha, Falcão salientou que alguns já fizeram isso no passado e que irá provar sua palavra no próximo ano.

Uma das polêmicas de sua pré-campanha foi um vídeo onde disse que estaria sendo ameaçado pelos velhos da política. Falcão esclareceu que alguns apoiadores foram abordados e intimidados. Ele também comentou sobre a resposta de Arnaldo Queiroz, candidato a prefeito pelo PSD, que na época condenou sua postura através de vídeo. A respeito do fato de ter trabalhado no escritório de Queiroz, Luís afirmou que era um estágio e que não vê a conquista daquela posição como uma troca de favores entre Arnaldo e seu pai.

- Continua depois da publicidade -

Questionado por um internauta a respeito de seus bens, Falcão afirmou que os conquistou com trabalho, que não fará uma campanha milionária e ressaltou as doações que vem recebendo através da internet. Outra pergunta da audiência foi a respeito do trânsito e dos radares de velocidade. Falcão disse que fará um estudo para verificar as velocidades adequadas para cada via. “A velocidade eu entendo que não é adequada, eu acho que pode ser até discutível a questão do radar, se olharmos pelo lado da segurança, mas vamos colocar uma velocidade mais razoável. Eu acho que trava o trânsito demais” disse o candidato.

Outro ponto abordado na entrevista foi a respeito do abastecimento de água em Patos de Minas. Falcão disse que é um crítico da COPASA, mas que não é fácil quebrar o contrato e sinalizou que a questão tem sido usada de forma eleitoreira. “A COPASA não cumpriu o contrato em alguns momentos e inclusive admite isso. A COPASA já ofereceu ao município de Patos R$ 16,8 milhões em desconto para a população, em contrapartida por não ter cumprido o contrato durante um período. Porque o município não quis repassar […] para a população ? Eu não sei”. Na sequência o candidato destacou o que, na sua visão, deve ser feito: “sentar com o presidente da COPASA, com a direção da empresa e ver o que pode ser feito, porque a população não está sendo atendida, existe a falta d’água, existe água suja muitas vezes, o esgoto eu duvido que seja tratado do tanto que eles falam”.

Falcão disse que não utiliza a expressão “velha política” e afirmou que a população usa esse termo porque está cansada das mesmas promessas e das campanhas milionárias. “Eu prefiro chamar isso de má política. A política que a gente defende é a boa política, a política propositiva”. O candidato ainda reforçou que é contra a reeleição e que caso eleito ficará quatro anos a frente da prefeitura e depois irá se dedicar a sua família. Questionado sobre políticos que pensam o contrário, Falcão disse que é uma posição pessoal, citando Zema, e que a população irá julgar se a pessoa irá ou não renovar o mandato por mais quatro anos.

Assista a íntegra:

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -