Exposição leva a Paraty parte do acervo do Museu de Língua Portuguesa

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Parte do acervo do Museu da Língua Portuguesa, fechado desde 2015 após um incêndio, chegou hoje (26) a Paraty atualizado com novas expressões do português e contribuições de países africanos lusófonos.

A exposição itinerante A Língua Portuguesa em Nós, que já percorreu Cabo Verde e Angola, está agora na cidade da Flip e inclui áudios gravados por moradores desses países para fazer parte do acervo do museu. Em Paraty, o público que veio de várias partes do Brasil também pode contribuir com as gravações e marcar seu sotaque e vocabulário na história da língua portuguesa.

- Continua depois da publicidade -

São Pauloo - Bombeiros combatem incêndio de grandes proporções no Museu da Língua Portuguesa (Daniel Mello/Agência Brasil)

Em 2015, o Museu da Língua Portuguesa pegou fogo e está fechado desde então Daniel Mello/Agência Brasil

A exposição continua em cartaz em Angola e em agosto chega a Moçambique. Diretor da EDP, empresa patrocinadora do museu e das exposições itinerantes, Luis Gouveia conta que a exposição já mostra um museu que está se renovando apesar de ter sido fechado pelo incêndio.

“Não precisamos esperar o museu ser reaberto fisicamente, porque a língua está sempre em construção”, diz ele, ao destacar que a ação em Paraty busca mostrar ainda a importância da língua para a gastronomia e a música dos países lusófonos.

Gouveia conta que a previsão para a reabertura do museu é o segundo semestre do ano que vem e que as obras da cobertura já foram concluídas: “vamos começar o interior, toda a parte tecnológica do museu”.

banner Flip 2018

Língua viva

Materiais audiovisuais do museu foram trazidos para a exposição na Casa de Cultura de Paraty, como a linha do tempo que originalmente tinha 30 metros de cumprimento e agora ocupa uma parede no terceiro andar do sobrado.

Também é possível obter informações sobre os demais países falantes do português, saber sobre seus principais autores e identificar onde estão no mapa mundi, coincidindo com as correntes de vento que guiaram as caravelas portuguesas por três oceanos.

A gerente de projetos da Fundação Roberto Marinho, Deca Farroco, conta que a exposição itinerante pela África foi um pedido do Itamaraty e busca informar ao público também sobre os conflitos que estão na formação do português moderno, como as aquisições de vocabulário durante a colonização e a escravidão. Desde essas influências até o “internetês”, a exposição mostra que a língua é viva.

“Essa linha do tempo vai até hoje. A língua está sempre em conformação e estamos sempre criando e recriando em cima dela”.

*O repórter viajou a convite da EDP, empresa patrocinadora da Flip 2018

Edição: Denise Griesinger

Fonte: Agência Brasil


Clique aqui para ler essa matéria na fonte original


 

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -