Exposição Histórias Afro-Atlânticas apresenta 450 trabalhos em SP

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Duas das principais instituições culturais de São Paulo abrem espaço, em iniciativa inédita, para a Exposição Histórias Afro-Atlânticas. O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp) e o Instituto Tomie Ohtake apresentam uma seleção de 450 trabalhos de 214 artistas, do século 16 ao 21, sobre os fluxos de pessoas entre a África, as Américas, o Caribe e a Europa.

A exposição coletiva Histórias afro-atlânticas é um desdobramento da exposição Histórias mestiças, realizada em 2014, no Instituto Tomie Ohtake, por Adriano Pedrosa e Lilia Schwarcz, que também assinam a curadoria desta nova mostra, junto com Ayrson Heráclito e Hélio Menezes, curadores convidados, e Tomás Toledo, curador assistente.

- Continua depois da publicidade -

São Paulo - Exposição Histórias afro-atlânticas no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - MASP, Avenida Paulista, região central.

São Paulo – Exposição Histórias afro-atlânticas no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – MASP, Avenida Paulista, região central. – Rovena Rosa/Agência Brasil

“É uma exposição que mostra aspectos importantes, não só da história brasileira, mas da história de todos esses territórios atlânticos desde o sul dos Estados Unidos, passando pelo Caribe até a América do Sul, que foram territórios e países que se transformaram de forma bastante significativa a partir da vinda forçada dos africanos escravizados para este lado do atlântico. A exposição mostra o impacto das culturas africanas nessas sociedades e o impacto da presença africana nessas culturas”, ressalta o curador assistente Tomás Toledo.

Segundo ele, é uma oportunidade para o público poder olhar e entrar em contato com produções que muitas vezes não são exibidas. “Conhecendo artistas com diferentes nacionalidades e dando mais evidência para as produções feitas por negros e negras e trabalhos que tratam dessas temáticas que muitas vezes são esquecidas pela historiografia tradicional da história da arte”, acrescenta Toledo.

O Brasil é um território central nas histórias afro-atlânticas, pois recebeu aproximadamente 46% dos cerca de 11 milhões de africanos e africanas que desembarcaram compulsoriamente neste lado do Atlântico, ao longo de mais de 300 anos. Também foi o último país a abolir a escravidão mercantil com a Lei Áurea de 1888, que não previu um projeto de integração social, perpetuando até hoje desigualdades econômicas, políticas e raciais. Por outro lado, o protagonismo brasileiro nessas histórias fez com que o país desenvolvesse uma rica e profunda presença das culturas africanas.

A exposição

A exposição não segue um ordenamento cronológico ou geográfico, sendo dividida em oito núcleos temáticos sobre diferentes temporalidades, territórios e suportes, nas duas instituições. No Masp pode-se ver os temas Mapas e Margens, Cotidianos, Ritos e Ritmos e Retratos (no primeiro andar), Modernismos afro-atlânticos (no primeiro subsolo) e Rotas e Transes: Áfricas, Jamaica e Bahia (no segundo subsolo). No Instituto Tomie Ohtake: Emancipações e Resistências e ativismos.

Segundo o curador assistente, a mesma exposição em dois locais era algo que o Masp já ansiava por fazer. “Com as duas instituições organizando a exposição, a mostra pode ter um tamanho muito maior, pode ganhar complexidade, além disso podemos apresentar um número muito maior de trabalhos ao público”, diz Toledo.

No Masp, a mostra contextualiza-se dentro de um ano de exposições, palestras, cursos, oficinas, publicações e programações de filmes em torno das histórias afro-atlânticas. O programa iniciou-se com as exposições individuais de Maria Auxiliadora, Aleijadinho e Emanoel Araujo e se completará com as de Melvin Edwards, Sonia Gomes, Rubem Valentim, Lucia Laguna e Pedro Figari.

São Paulo - Exposição Histórias afro-atlânticas no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - MASP, Avenida Paulista, região central.

São Paulo – Exposição Histórias afro-atlânticas no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – MASP, Avenida Paulista, região central. – Rovena Rosa/Agência Brasil

Serviço:

Histórias afro-atlânticas

Data: 29 de junho a 21 de outubro de 2018

Masp – Avenida Paulista, 1578, São Paulo, SP

Metrô mais próximo – Estação Trianon Masp / Linha 3 – Verde

Horários: terça a domingo: das 10h às 18h (bilheteria aberta até as 17h30); quinta-feira: das 10h às 20h (bilheteria até 19h30)

Ingressos: R$ 35 (entrada); R$ 17 (meia-entrada)

O Masp tem entrada gratuita às terças-feiras, durante o dia todo.

 

Instituto Tomie Ohtake – Av. Faria Lima, 201 – Pinheiros, São Paulo

Metrô mais próximo – Estação Faria Lima / Linha 4 – Amarela

De terça à domingo, das 11h às 20h

Entrada Gratuita

Fonte: Agência Brasil


Clique aqui para ler essa matéria na fonte original


 

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -