Especialistas discutem em simpósio técnicas do parto humanizado

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Especialistas participantes do 5º Simpósio Internacional de Assistência ao Parto ressaltaram a importância de os profissionais brasileiros da área acompanharem os processos fisiológicos normais, sem deixar de reconhecer sinais para ajudar mãe e bebê durante o processo do parto e nascimento.

O Brasil lidera partos cesárias do mundo, com 55% dos nascimentos via cesariana no Sistema Único de Saúde (SUS) e 84% na saúde privada, enquanto a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) estabelece apenas 15% dos nascimentos por via cirúrgica.

- Continua depois da publicidade -

A quinta edição do simpósio, que acontece na capital paulista, reúne palestrantes com práticas cientificamente comprovadas para o protagonismo da mulher durante a gestação, parto e puerpério.

E em um dos temas em debate, Paciência Ativa, foi defendida a necessidade de os profissionais serem capazes de escutar e esperar para acompanhar os processos fisiológicos normais. O spinning babies (girar bebês) é o nome de uma técnica criada pela parteira americana Gail Tully, que propõe sequências de movimentos para que durante o trabalho de parto a mulher consiga encontrar posições que ajudem o bebê a se encaixar corretamente na pelve, facilitando o parto e reduzindo a dor.

“A ideia do parto humanizado é a de que dentro de uma determinada instituição todas as mulheres sejam tratadas com respeito, todas tenham direito à privacidade, que não sejam vítimas de nenhum tipo de abuso, que não sejam usadas como cobaias para estudos ou aprendizagem de alunos em hospital escola, com uso de forceps para treinar. O parto humanizado idealmente implica em uma mulher bem informada com direito a escolha, analgesia do jeito que ela desejar”, disse a obstetriz e idealizadora do Siaparto, Ana Cristina Duarte.

Segundo a médica, embora haja a ideia generalizada de que parto humanizado é um parto alternativo, isso não é verdade. Ela explicou que essa modalidade de parto é baseada em evidências e traz as melhores práticas e o melhor uso da tecnologia, às vezes envolvendo analgesia de parto, uso de medicamentos, intervenções, mas sempre de forma racional e não para todas as mulheres que escolhem o parto humanizado.

Ana Cristina ressaltou que a ideia de que é necessário ter o parto no hospital é cultural e atinge o mundo todo, “mas quando estudamos os países em que o parto em casa faz parte do sistema de saúde, os números são muito positivos”.

“Na prática, a ideia de que o parto em casa não é seguro, não é real. O que traz segurança é ter um sistema obstétrico integrado, com um ótimo pré-natal, uma ótima assistência onde quer que ela esteja e a possibilidade de um atendimento emergencial cirúrgico de rápido acesso”.

A obstetriz destacou que a recomendação para que a mulher opte para o parto humanizado é o entendimento de que essa mulher tenha uma gravidez que não seja de risco e que ela não precisará de nada no parto, a não ser vigilância de seus sinais vitais. Segundo Ana Cristina, deve-se levar em conta que eventualmente algumas mulheres podem precisar de ajuda emergencial, por isso o conceito é usar esse tipo de intervenção racionalmente.

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -