Epilepsia: mais conhecimento e menos preconceito

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

No domingo, 26 de março, foi comemorado mais um Purple Day, como ficou conhecido o Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia, criado em 2008 no Canadá e desde 2011 conquistando importância também no Brasil.

Foto: Divulgação
A data é mais um alerta para se enfrentar a doença, que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), afeta cerca de 50 mil pessoas no planeta. E isso pode ser feito com menos tabus e mais conhecimento, livrando o paciente de preconceitos. Até hoje, muita gente ainda fica sem saber como agir diante de um epilético que tem uma crise, caindo no chão com o corpo todo retesado, mordendo a própria língua e com uma série de movimentos involuntários.
Quem orienta é Marcelo Ciciarelli, neurologista membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN). “O cenário típico de uma crise epilética é o seguinte: a pessoa perde a consciência, se debate, ocorre salivação e pode até chegar a urinar nas vestes”, conta, chamando atenção para o período de duração do episódio: cerca de três minutos. 
“Nessa hora, o ideal é proteger a pessoa para que ela não se machuque, colocando a cabeça dela sobre um travesseiro, virada de lado para que não aspire a própria saliva, não tentar puxar a língua do paciente, ele normalmente fica com os dentes cerrados e é possível que acabe mordendo o dedo de quem está tentando ajuda-lo”.
Segundo o especialista, no rol de problemas neurológicos, a epilepsia está entre as doenças mais frequentes junto com as cefaleias, a doença de Alzheimer e de Parkinson e o AVC. Por isso não devemos subestimar os seus efeitos: quem sofre dessa doença crônica muitas vezes se vê com receio de ter uma convulsão em público e atrair os olhares de estranhos, o que pode levar ao isolamento e até à ideia de que o epilético deve se privar de atividades como dirigir ou praticar esportes, por exemplo.
Do que o epilético precisa para ter uma vida como a de outra pessoa qualquer? O primeiro passo é realizar o diagnóstico correto da doença que, apesar de algumas vezes não ter cura, conta com tratamentos eficazes para seu controle. O segundo é se conscientizar de que ter epilepsia não desmerece ninguém – se o estado crítico assusta as pessoas, é porque muitas delas não sabem como proceder diante do que parece ser um curto-circuito cerebral. É aí que entra o papel do paciente em assumir sua condição e explicar aos conhecidos o que devem fazer caso presenciem uma crise.
Em relação às causas, o histórico familiar é bastante relevante, já que muitas vezes o epilético tem algum antecedente na família. Traumatismo craniano causado por pancadas ou acidentes também podem provocar a epilepsia e até causar uma crise. Mas, no caso de quem já foi diagnosticado com a doença, o que se pode fazer para reduzir a quantidade de episódios é evitar drogas, bebidas alcoólicas e procurar ter boas noites de sono.


Déborah Santos
Triângulo Notícias
29/03/2017

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.