Duas décadas depois, o uso da urna eletrônica continua dividindo opiniões

A primeira eleição de que se tem notícia no Brasil aconteceu em 1532, de lá pra cá muita coisa mudou.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Há mais de 20 anos o Brasil adotou a urna eletrônica nas eleições substituindo os votos em papel, mas a segurança do equipamento não é unanimidade entre especialistas. “As urnas não são auditáveis”, critica o professor de ciência da computação da Universidade de Brasília (UnB) Jorge Henrique Cabral Fernandes. A solução, segundo ele, seria a impressão do voto. “Contabilizar esse voto em papel e comparar isso com o resultado da urna”, sugere.

- Continua depois da publicidade -

Estabelecida em 2015 pela minirreforma eleitoral (Lei 13.165/15) aprovada pelo Congresso, a impressão dos votos foi derrubada liminarmente pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em junho.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afirma que já são 22 anos sem nenhum registro de fraude comprovada e que todas as suspeições são analisadas por órgãos competentes como o Ministério Público e a Polícia Federal. “Estamos trazendo com voto impresso, as mesas apuradoras do passado, onde o homem manipula a informação e verifica se o computador contou certo. Não existe coerência nesse processo”, critica o secretário de Tecnologia do TSE, Giuseppe Janino.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Natalia Doederlein

 

Fonte: Câmara dos Deputados

 

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -