Dia Mundial das Áreas Úmidas chama atenção para crescimento urbano sustentável

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Ecossistemas que fazem a interface entre ambientes terrestres e aquáticos, as chamadas áreas úmidas, serão celebrados no próximo dia 2 de fevereiro. Na ocasião, o Comitê Permanente da Convenção de Ramsar comemora o Dia Mundial das Áreas Úmidas, data instituída em 1997, em homenagem à primeira vez em que a convenção foi adotada, em 1971.

O tratado intergovernamental celebrado à época, na cidade iraniana de Ramsar, marcou o início das ações nacionais e internacionais para a preservação dessas áreas.

- Continua depois da publicidade -

Nesta edição de 2018, a preocupação com o crescimento das cidades e o avanço das áreas construídas sobre esses ecossistemas fez com que a Convenção colocasse em pauta a importância das áreas úmidas para um futuro urbano sustentável.

Parque Estadual do Rio Doce

Atualmente, 150 países são signatários da convenção, incluindo o Brasil, onde existem 21 locais com esse reconhecimento. Entre eles está o Parque Estadual do Rio Doce, situado na região do Vale do Aço mineiro, que desde 2010 consta da lista.

O parque é a primeira unidade de conservação de Minas, criada em 1944, e abrange a maior floresta tropical do estado, possuindo 42 lagoas. Representa um dos três maiores sistemas de lagos do Brasil, abrigando uma variedade de peixes, uma grande diversidade na fauna e flora, além de animais ameaçados de extinção, como a onça pintada.

Com a celebração do Dia Mundial das Áreas Úmidas, o Comitê tem o objetivo de estimular governos, organizações da sociedade civil e cidadãos, a promover ações e atividades que reforcem a importância das áreas úmidas e a necessidade de sua proteção. O que se busca é equalizar a preservação com o adequado uso dos recursos ambientais desses espaços.

Assim como o Parque do Rio Doce, outros ecossistemas integram a definição de áreas úmidas, como as áreas marinhas e costeiras até as continentais e as artificiais. São, ao todo, 42 tipos, que permanecem em tempo integral, ou periodicamente, inundados, ou com solos encharcados. As águas podem ser doces, salobras ou salgadas, com comunidades de plantas e animais adaptados à sua dinâmica hídrica.

Além dos lagos, são também exemplos os manguezais, pântanos e também áreas irrigadas para agricultura, reservatórios de hidrelétricas, entre outras.

Os materiais de divulgação do Dia Mundial das Áreas Úmidas podem ser acessados neste link.

Primeira do estado com a chancela

O Parque Estadual do Rio Doce, administrado pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), foi a primeira unidade de conservação (UC) de Minas Gerais e a nona localizada no Brasil a receber a chancela como área úmida de importância internacional.

A área de preservação está inserida em uma região que se configura como o terceiro maior ecossistema composto por lagos do Brasil, perdendo apenas para o Pantanal e a Amazônia. Somente em seu interior, a UC abriga 42 lagos naturais. Dentre eles, destaca-se a Lagoa Dom Helvécio, com 6,7 Km2 de área e profundidade de até 32,5 metros.

As lagoas abrigam uma grande diversidade de peixes, que servem de importante instrumento para estudos e pesquisas da fauna aquática nativa. A Mata Atlântica, bioma que domina a unidade, é o habitat de animais ameaçados de extinção como a onça pintada e o mono-carvoeiro, maior primata das Américas.

Inicialmente, a proteção de áreas como o Parque do Rio Doce visava à conservação de zonas úmidas e de aves aquáticas. Com o decorrer do tempo, a área total passou a ser observada como um sistema de apoio à vida para a biodiversidade.

Definição de Sítios Ramsar

O Brasil adota como diretriz para a indicação de áreas úmidas a serem incluídas na Lista de Ramsar, que tais áreas correspondam a unidades de conservação, o que favorece a adoção das medidas necessárias à implementação dos compromissos assumidos pelo país perante a Convenção.

No caso do Brasil, onde somente são designados Sítios Ramsar locais legalmente protegidos (Unidades de Conservação), o reconhecimento internacional reforça a necessidade de valorização destas UCs. Nestas áreas, as características ecológicas devem ser mantidas obrigatoriamente, de modo a garantir suas funções e serviços ambientais.

A inclusão dessas áreas faculta a obtenção de apoio para o desenvolvimento de pesquisas e acesso a fundos internacionais para o financiamento de projetos e criação de um panorama favorável à cooperação internacional. Em contrapartida, o Brasil se comprometeu em manter as características ecológicas conforme o previsto no Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas (PNAP) pelo Decreto 5.758/06.

Importância para o planeta

As áreas úmidas existem em todos os tipos de ecossistemas e são importantes para a manutenção da biodiversidade. São ecossistemas complexos, pressionados não somente pela ação direta do homem, mas também pelos impactos sobre ecossistemas terrestres, marinhos e de água doce adjacente.

As áreas úmidas abrigam uma enorme variedade de espécies endêmicas, mas, também, periodicamente, espécies terrestres e de águas profundas e, portanto, contribuem substancialmente para a biodiversidade ambiental. Além disto, têm papel importante no ciclo hidrológico, ampliando a capacidade de retenção de água da região onde se localiza, promovendo o múltiplo uso das águas pelos seres humanos.


Problemas em visualizar essa matéria? Clique aqui e confira a íntegra.


Fonte: AGÊNCIA MINAS

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -