Desfile Cívico reúne multidão no centro de Patos de Minas

O ato faz parte das comemorações do aniversário de 125 anos da cidade.

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Desfile homenageou as Marias Artesãs que fazem parte da história de Patos de Minas
Foto: Lélis Félix (Triângulo Notícias) 

A cidade de Patos de Minas comemora nesta quarta-feira, 24 de maio, 125 anos. Nesta manhã um lindo desfile cívico foi realizado na Avenida Getúlio Vargas e reuniu uma multidão. Era por volta das 8:30 quando o evento começou e seguiu pela via.

Inicialmente os soldados do Tiro de Guerra marcharam. Em seguida, viaturas da Polícia Rodoviária Federal e Corpo de Bombeiros desfiliaram. As ambulância do SAMU participaram, demostrando a importância do serviço para a população de Patos de Minas.

O apogeu do desfile cívico aconteceu com os estudantes das escolas da cidades. Em um espetáculo de sincronia, a música da fanfarra acompanhou os participantes que desfiliaram em uma organização harmonia.

Um helicóptero sobrevoou a Avenida Getúlio Vargas durante o ato e imagens foram gravadas. Elas serão divulgadas em breve.

Participação do Público

Vários patense acordaram cedo e foram ao centro da cidade neste feriado para acompanhar o desfile. Segundo os presentes, Patos de Minas tem vários motivos para comemorar, porém é necessário refletir sobre as mudanças necessárias.

Segundo uma funcionária pública, é preciso investir mais em educação e saúde para que as próximas gerações tenham uma cidade melhor para se viver. Já outra cidadã, destacou os trabalhos desenvolvidos pela atual administração. Para ela, o novo prefeito está demostrando serviço.

Matéria em atualização. Novas fotos serão incluídas.

História

No século XIX, a região abrigava uma fazenda denominada Os Patos, de propriedade do casal Antônio da Silva Guerra e Luíza Corrêa de Andrade. Uma escritura particular datada de 19 de julho de 1826 transfere parte da fazenda para a construção de uma igreja dedicada a Santo Antônio e uma vila ao seu redor.

“ …uma gleba de terras de cultura e campos na fazenda denominada “Os Patos” ao glorioso Santo Antônio, a fim de se lhe edificar um templo e também para cômodos dos povos… ”
— trecho da escritura que permite a criação da igreja e vila que originaram a cidade.

O padre José de Brito Freire e Vasconcelos mudou-se para o lugar, tornando-se o primeiro vigário local, entre 1831 a 1839, ano em que foi construída a primeira capela, dedicada a Santo Antônio. Atualmente demolida, localizava-se onde se encontra hoje o Memorial do Centenário de Patos de Minas, na Praça Dom Eduardo. Sediou a primeira paróquia, criada através da Lei Provincial nº 472 de 31 de maio de 1850. Com a paróquia, a região, pertencente a Patrocínio, adquiriu direitos, como o de uma sessão eleitoral e de eleger um representante junto a Câmara Municipal de Patrocínio.

Oito anos antes, a Vila de Patrocínio foi elevada à condição de município, tornando a localidade de Santo Antônio dos Patos da Beira do Rio Paranaíba um distrito do novo município.
Em 1856, os moradores da vila realizaram um abaixo-assinado pedindo ao Governo de Minas a emancipação política da cidade. A vila, contudo, só se tornou independente do município de Patrocínio através da Lei Provincial nº 1291, de 30 de outubro de 1866, denominando-se Vila de Santo Antônio dos Patos. A lei foi assinada pelo então vice-governador em exercício Cônego Joaquim José de Santana.

Não era interesse, contudo, de Patrocínio, a emancipação de seu distrito. Assim, a instalação só aconteceu quase dois anos depois, em 29 de fevereiro de 1868, após a posse da primeira Câmara Municipal patense, eleita em 8 de dezembro de 1867. A instalação marcaria a desvinculação definitiva de Patrocínio.

Em 1874, a Vila de Santo Antônio dos Patos era formada basicamente pelos largos da Matriz (atual Praça dom Eduardo), do Rosário (na altura de onde é a Rádio Clube de Patos, que dispunha de uma igreja dedicada a Nossa Senhora do Rosário), do Caixeta (próximo à Cadeia), Municipal (atual praça Juquinha Caixeta) e Antônio Dias; pelas ruas Teófilo Otoni, 7 de setembro, da Cruz (hoje Santa Cruz), da Lagoa (hoje João da Rocha Filgueira), Tiradentes (a mais antiga rua da cidade), Independência, General Osório, 1º de Março (atual Tenente Bino) e 7 de Abril (atual Afonso Pena), além de diversos becos, todos inexistentes na configuração urbanística atual, entre eles o Beco do Fogo, que deu origem à Rua Major Gote, atualmente a principal da cidade.

A Lei Estadual nº 2, de 14 de setembro de 1891, confirmou a elevação à categoria de vila, que incluía terras do que anteriormente eram os municípios de Patrocínio, Paracatu e São Francisco das Chagas de Campo Grande (atual Rio Paranaíba).

De acordo com a Lei Estadual nº 23, de 24 de maio de 1892, a vila independente foi elevada à condição de município, tendo seu nome simplificado como Cidade de Patos. A lei, de autoria do representante patense na Assembleia Provincial Olegário Maciel, foi assinada pelo então presidente do estado Eduardo Ernesto da Gama Cerqueira.

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.