Defensoria abre inscrições para mutirão de alteração de prenome e gênero de pessoas transgêneros

Iniciativa acontecerá nas unidades de Ituiutaba, Patos de Minas e Uberlândia. Interessadas e interessados podem se inscrever até 1º de junho.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

As unidades da Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG) em Ituiutaba, Patos de Minas e Uberlândia, por meio do Termo de Abertura de Projeto e com o apoio de diversos parceiros, realizarão o Mutirão Regional de Alteração de Prenome e Gênero de Pessoas Transgêneros de 2022.

Serão realizados atendimentos às pessoas transgêneros residentes nas respectivas comarcas para alteração do prenome e gênero junto ao registro civil. As inscrições começam no próximo dia 10 de maio (terça-feira) e se estendem até o dia 1º de junho (quarta-feira), presencialmente, nas sedes da DPMG nos três municípios.

Clique aqui para ver a lista de documentos necessários e requerimento para atendimento.

O projeto tem o objetivo de promover dignidade, cidadania e, principalmente, inclusão social, como direito fundamental ao nome e à empregabilidade; bem como promover a união de instituições públicas e órgãos não governamentais em prol da conscientização e da promoção dos direitos das pessoas transgênero. Também trará subsídios para uma pesquisa demográfica e econômico-social com as pessoas participantes, embasando ações da DPMG em outras iniciativas com a população trans.

Desde a decisão do Supremo Tribunal Federal e de acordo com o Provimento nº 73 de 2018 do Conselho Nacional de Justiça, o procedimento de alteração de prenome e gênero pode ser realizado de forma extrajudicial, diretamente no Cartório de Registro Civil. Entrentato, sob argumento de falta de regulamentação, a gratuidade para pessoas em condições de vulnerabilidade econômica tem sido negada.

Discriminação

Por condições diferentes aos padrões impostos por uma sociedade excludente e conservadora, são perceptíveis as marcas de preconceitos e descasos contra a população LGBTQIA+. Pessoas transgêneros são diariamente atingidas por tal discriminação, sem o apoio de políticas públicas necessárias voltadas ao direito delas.

Por isso, a Defensoria Pública, além de ser uma importante ferramenta de combate às violações de direitos constitucionais básicos cometidas pelo Estado, se torna também, por meio do projeto, instrumento para alcance à identidade de gênero e nome de forma gratuita e extrajudicial.

Parceiros

A iniciativa é coordenada pela Coordenadoria de Projetos, Convênios e Parcerias (CooProC), da DPMG. São parceiros desta ação o Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG), por meio do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSC); a Universidade Federal de Uberlândia (UFU-Campus Ituiutaba); a Universidade Federal de Uberlândia (UFU-Campus Uberlândia), por meio de extensão “Projeto Somos”; o Ministério Público do Trabalho (MPT); o Conselho Popular LGBTQIAP+ de Uberlândia; a Instituição Cristã de Assistência Social de Uberlândia (ICASU); a Associação Cores do Pontal de Ituiutaba; e a ONG Vania Lafit de Ituiutaba.

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores. Eles não representam a opinião do Patos Notícias. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos são removidos.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Usamos cookies para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências.  Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.