Contas externas ficam positivas em fevereiro, mas BC eleva projeção de déficit

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
dólares

Estimativa de resultado negativo em transações correntes, que são compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do país com o mundo, subiu de US$ 18,4 bilhões para US$ 23,3 bilhões Arquivo/Agência Brasil

O Banco Central (BC) espera por um déficit maior nas contas externas neste ano. A estimativa de resultado negativo em transações correntes, que são compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do país com o mundo, subiu de US$ 18,4 bilhões para US$ 23,3 bilhões.

Em relação a tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB) – a previsão passou de 0,87% para 1,09%.

Os dados constam do relatório do setor externo referente a fevereiro, divulgado hoje (23) pelo BC, com dados sobre transações correntes, investimentos estrangeiros, entre outros.

Nos dois primeiros meses deste ano, o país registrou déficit de US$ 4,024 bilhões contra US$ 6,030 bilhões. Somente em fevereiro, houve superávit de US$ 283 milhões, o melhor resultado para o mês desde 2007 quando houve saldo positivo de US$ 326 milhões. Para março, o BC espera que o resultado volte a ficar positivo, em US$ 200 milhões.

Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, a expectativa é que o país volte a apresentar resultados negativos ao longo do ano devido ao aumento da demanda por bens e serviços no exterior, com a retomada da economia brasileira. “As importações têm tido crescimento porcentual acima das exportações. Esse comportamento das importações crescendo é consistente com a trajetória de recuperação da economia brasileira. As empresas demandam mais produtos importados para os seus processos produtivos”.

No ano passado, o déficit ficou em US$ 9,762 bilhões, o que correspondeu a 0,47% do PIB.

BC reduz projeção de superávit comercial em US$ 3 bilhões

No balanço das transações correntes está a balança comercial (exportações e importações de mercadorias) que deve apresentar superávit de US$ 56 bilhões neste ano. A previsão ficou abaixo da anterior, que era US$ 59 bilhões.

Já a previsão para a conta renda primária (lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários) ficou em US$ 43,6 bilhões de déficit, contra US$ 42,1 bilhões da estimativa anterior. A projeção para a conta de serviços (viagens, transporte e aluguel de investimentos, entre outros) passou de US$ 37,7 bilhões para US$ 38,1 bilhões.

A projeção para a conta de renda secundária (renda gerada em uma economia e distribuída para outra, como doações e remessas de dólares, sem contrapartida de serviços ou bens) foi mantida em US$ 2,5 bilhões.

Investimentos estrangeiros

Quando o país registra saldo negativo em transações correntes precisa cobrir o déficit com investimentos ou empréstimos no exterior. A melhor forma de financiamento do saldo negativo é o investimento direto no país (IDP) porque recursos são aplicados no setor produtivo do país. A previsão para esses investimentos foi mantida em US$ 80 bilhões.

* Matéria atualizada às 12h28 para acréscimo de informação.

FONTE: Agência Brasil

🔔 ATIVAR NOTIFICAÇÕES

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não representam a opinião do Patos Notícias. A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.