Conab garante renda a extrativistas em 2016

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O investimento da ordem de 136,19 mil irá completar a renda referente a quase 500 toneladas de produtos. 

Produtores de macaúba serão um dos beneficiados pela Conab.
Foto: Reprodução 
Extrativistas mineiros de mangaba, macaúba, pequi e umbu receberam apoio à comercialização de sua produção em 2016, por meio da Política de Garantia de Preços Mínimos para Produtos da Sociobiodiversidade (PGPM-Bio). A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aplicou R$ 136,19 mil para complementar a renda referente a 488,5 toneladas de produtos de origem extrativa comercializados a preços abaixo do mínimo calculado pelo governo federal.
O bônus foi pago a cinco produtores de mangaba do município de Lontra pela venda de 7,9 toneladas do produto e a 14 produtores de umbu do mesmo município, pela comercialização de 73,83 t. Também foram contemplados 52 produtores de macaúba (de Brasília de Minas, Coração de Jesus, Dores do Indaia, Lontra, Mirabela e Montes Claros) pela venda de 257,85 toneladas e 24 produtores de pequi (Januária, Japonvar, Lontra), referente a 148,93 t do produto
A PGPM-Bio assegura preço mínimo para 15 produtos da sociobiodiversidade. Uma subvenção direta é concedida quando os extrativistas comprovam a venda do produto extrativo por preço inferior ao mínimo fixado pelo governo federal. A política assegura renda às populações que possuem formas próprias de organização social e ocupam e usam territórios e recursos naturais como condição para sua reprodução cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas gerados e transmitidos pela tradição. Simultaneamente, fomenta a proteção ao meio ambiente.

Déborah Santos

- Continua depois da publicidade -
20/03/2017

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -