Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico descarta acionar térmicas mais caras

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), ligado ao Ministério de Minas e Energia, decidiu ontem (19), em reunião extraordinária, não acionar as usinas termelétricas mais caras, o chamado "despacho fora da ordem de mérito", mas aprovou, se necessário, o aumento da importação de energia elétrica da Argentina e do Uruguai “na medida em que for possível”.

A decisão a respeito da importação dependerá das avaliações semanais do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). De acordo com o CMSE, em setembro as chuvas estão abaixo da média para os próximos dias. Há previsão de chuva fraca a moderada nas Bacias da Região Sul e pouca ou nenhuma chuva na região Sudeste/Centro-Oeste.

Em nota, o comitê avaliou que "a maior probabilidade é de ocorrência de precipitações inferiores à média histórica na maior parte do país, especialmente na grande área central. Também estão sendo previstos nos próximos dias, desvios positivos de temperatura, em relação à média histórica, na Região Sul, em São Paulo, e em parte da região Centro-Oeste, o que deve levar ao incremento do consumo de energia elétrica nestes locais."

Na reunião, o CMSE também decidiu retomar a operação de três usinas termelétricas que estão paradas. Segundo o comitê, as usinas Araucária, Cuiabá e Termonorte II  "são capazes de produzir energia a preços mais competitivos se comparados com os de outras usinas térmicas."

Além disso, também foi aprovado que, em vista do aumento do preço da energia elétrica frente à escassez hídrica, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apresentará, na próxima reunião do CMSE, "proposta para viabilização de campanha de conscientização do uso da energia elétrica pela população brasileira."

 

Fonte: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS