Comércio em Minas Gerais recua 2,1% em março

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Na passagem de fevereiro para março de 2020, na série com ajuste sazonal, o volume de vendas do comércio varejista em Minas Gerais apresentou um recuo de 2,1%. A taxa média nacional de vendas do varejo recuou 2,5%, com predomínio de resultados negativos em 26 das 27 Unidades da Federação, com destaque, por magnitude de taxa, para: Rondônia (-23,2%), Amazonas (-16,5%) e Acre (-15,7%). Por outro lado, pressionando positivamente, figura apenas São Paulo (0,7%). 

Na comparação com o mesmo período do ano anterior, a variação das vendas do comércio varejista em Minas Gerais foi de -1,3%, abaixo da média nacional, que foi de -1,2%. Houve resultados negativos em 23 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Rondônia (-25,3%), Ceará (-14,4%) e Acre (-11,8%). Por outro lado, pressionando positivamente, figuram quatro das 27 Unidades da Federação: São Paulo (5,4%), Tocantins (3,4%), Mato Grosso (2,1%) e Paraíba (1,0%). 

Na variação acumulada no ano, observa-se que o indicador do comércio varejista nacional foi de 1,6%, sendo que 16 das 27 Unidades de Federação apresentaram indicadores positivos, com destaque para Tocantins (7,3%), Paraíba (6,9%) e Amazonas (6,0%). Já Minas Gerais apresentou acumulado no ano de 0,0%. 

Na variação acumulada nos últimos 12 meses, observa-se que o indicador do comércio varejista nacional foi de 2,1%, sendo que 20 das 27 Unidades de Federação apresentam indicadores positivos, com destaque para Amapá (15,8%), Amazonas (9,8%) e Tocantins (7,6%). Minas Gerais apresentou acumulado nos últimos 12 meses de 1,7%. 

Em síntese, o volume de vendas do varejo nacional, em março de 2020, apresentou queda de 2,5% na comparação com fevereiro de 2020, após variação positiva de 0,5% observada no mês anterior, com predomínio de resultados negativos entre as atividades. No confronto com igual mês do ano anterior, em março de 2019, o varejo nacional mostrou recuo de 1,2%, interrompendo 11 meses consecutivos de taxas positivas. Esse resultado foi influenciado pelos efeitos das medidas de contenção da propagação da pandemia de Covid-19, sobretudo a partir da segunda quinzena de março. 

De acordo com o Quadro 1, em Minas Gerais, as atividades que se destacaram com variações positivas, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, para o comércio varejista, foram: Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (15,3%) e Hipermercados e Supermercados (4,6%). Por outro lado, o setor de livros, jornais, revistas e papelaria (-25,6%) e eletrodomésticos (-21,2%) se destacam com as maiores reduções, em termos de magnitude, quando comparados com o mesmo período do ano anterior. Já no comércio varejista ampliado, o setor de veículos, motocicletas, partes e peças apresentou recuo de 2,4% e o setor de material de construção, queda de 15,9%. 

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles. Ao comentar você aceita nossos Termos de Uso e nossa Política de Privacidade.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.