Salário dos Vereadores 

Cidadãos se reúnem com prefeito para pedir veto de Projeto de Lei

Eles querem que Falcão reavalie a decisão de promulgar o projeto de lei que reajusta o salário dos vereadores.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Após realizar manifestação no Centro de Patos de Minas, protocolar carta denúncia no Ministério Público de Minas Gerais e participar de uma reunião com o presidente da Câmara Municipal de Patos de Minas, o grupo “Orgulho de ser patense” foi ao gabinete do prefeito Luís Eduardo Falcão (PODEMOS) para tentar convence-lo a voltar atrás no posicionamento de devolver o projeto para câmara e vetar o reajuste salarial de 25,23% aos 17 vereadores da atual legislatura.

Falcão recebeu os manifestantes no gabinete, acompanhado pelo procurador-geral do município, Paulo Henrique Silveira, e também pelo secretário de governo, Emerson Azevedo. O grupo de cidadãos realizou uma série de perguntas ao chefe do executivo para tentar entender os critérios de não vetar o Projeto de Lei, que concede o reajuste considerado pelos manifestantes como abusivo.

O prefeito ouviu as reinvindicações dos manifestantes e se comprometeu em reunir com a própria equipe para avaliar a melhor opção. Emerson Roberto Barbosa, que coordena o grupo, disse que explicou para o prefeito o anseio da população em relação ao tema.

“Peguei na mão do prefeito e falei ‘você está pegando na mão da população, esse peso estou deixando em suas mãos’, falei com ele e com o procurador da prefeitura, ‘esse peso eu deixo em suas mãos’,” afirmou Emerson.

No próximo sábado, dia 23 de abril, o grupo estará na esquina das ruas Major Gote com Olegário Maciel a partir das 08h da manhã recolhendo assinaturas da população que também é contraria a decisão dos vereadores.

O projeto de lei de reajuste havia sido enviado ao executivo logo depois da aprovação para análise do prefeito. Luís Eduardo Falcão comunicou no Programa Entrelinhas do Patos Notícias que vai devolver o projeto à câmara. Ezequiel Macedo explicou na reunião da última terça-feira (19/4) que o executivo possui um prazo de 15 dias para tomar a decisão e só após esse prazo, caso ele não sancione ou vete, o projeto volta ao Legislativo.

A equipe da Câmara Municipal também explicou, que caso o prefeito mantenha seu posicionamento de não vetar ou sancionar, ocorre a chamada sanção tácita e o projeto pode ser promulgado por qualquer vereador. Caso ele decida não promulgar, o procedimento passa para responsabilidade dos outros membros da mesa diretora, de forma hierárquica, e se nenhum membro da mesa promulgar, qualquer outro parlamentar poderá tomar a atitude.

Caso o projeto realmente for devolvido para o Legislativo, as únicas formas de não entrar em vigor, é se nenhum vereador promulga-lo. Sendo assim, o projeto caduca, ou se o vereadores votarem e aprovarem outro projeto revogando o atual.

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

1 Comentário
O mais novo
Mais antigo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Luisinho Amarante
21/04/2022 08:53

Não é profissão ser político, só aqui no Brasil que eles acham isso. Político é pra cuidar do interesse público, não deles próprios. Os seus salários deviam ser meramente ilustrativos, uma formalidade mesmo, mas aqui virou o centro de todo interesse, o povo só perde, não ganha nada com esse tipo de “político” e quanto mais os bajular e deixar à vontade, mais desse tipo vai aparecer nas eleiçõe futuras.

A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores. Eles não representam a opinião do Patos Notícias. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos são removidos.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Usamos cookies para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências.  Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.