Câmara decide investigar conduta de Lásaro Borges

Uma comissão será instalada, investigará e apresentará um relatório. Para ser cassado o mandato são necessários dois terços dos votos.

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Lásaro Borges - PSD - Vereador de Patos de Minas
Foto: Lélis Félix (Patos Notícias)

A Câmara Municipal de Patos de Minas analisou na tarde desta quinta-feira (19), durante sessão ordinária, uma denúncia contra Lásaro Borges (PSD). Foram onze votos pela instauração do processo de investigação. A comissão é composta por: Gladston Gabriel – relator (PODEMOS), Elizabeth Maria (DEM) e Daniel Gomes – presidente (PDT).

Lásaro Borges será notificado dentro de 5 dias e terá 10 dias para apresentar a defesa. A comissão terá 5 dias para verificar a defesa e emitir um parecer. Se for favorável a denúncia, as investigações continuam automaticamente. Já se o parecer for pelo arquivamento, ele precisa ser aprovado em plenário.

Foto: Lélis Félix (Patos Notícias)

José Eustáquio de Faria JR (PODEMOS) foi sorteado para participar da comissão. Ele renunciou por já participar, como relator, de outras duas comissões: COPASA e Marquim das Bananas (PSD). Segundo ele, pode ocorrer a sobrecarga de serviço e desta forma comprometer a qualidade do trabalho.

Veja como votou cada vereador:

Votou contra: Bartolomeu Ferreira (DEM), Marquim das Bananas (PSD), Vicente de Paula (DEM).

Votou a favor: Daniel Gomes (PDT), Elizabeth Maria (DEM), Gladston Gabriel (PODEMOS), Cabo Batista (CIDADANIA), Itamar André (Patriota), Carlito (DEM), José Eustáquio de Faria JR (PODEMOS), José Luiz (PODEMOS), Mauri da JL (MDB), Vitor Porto (CIDADANIA) e William de Campos (PATRIOTA).

Ausência: João Marra (Patriota)

Um líder comunitário alega que durante a campanha de 2020, Lásaro lhe prometeu um emprego em troca de votos e dos serviços de cabo eleitoral. Ele ainda alegou que após a vitória foi contratado como motorista particular do parlamentar, porém foi dispensado em seguida. Também existe a acusação de que a contratação e a dispensa foram assinados em conjunto.

Lásaro Borges nega conhecimento da promessa e das alegações e afirma que prova a inocência nas instancias competentes. A denúncia também foi protocolada no Ministério Público.

Durante a leitura da denúncia, o vereador Vitor Porto (CIDADANIA) destacou que não cabe a câmara julgar o cometimento de crime e sim a conduta ética do parlamentar. A votação foi nominal, sendo necessário a maioria para aprovação.

Lásaro Borges encaminhou a seguinte nota:

Recebemos com serenidade o acolhimento da representação promovida injustamente pelo Sr. Francisco Gonçalves de Andrade e iremos, com esse mesmo sentimento de serenidade, apresentar a verdade dos fatos de forma a permitir que a Câmara Municipal, no exercício de suas atribuições, possa reconhecer a nossa inocência e, assim, promover a Justiça dentro do seu campo de atuação.

Não temos nenhum receio em relação às levianas acusações promovidas por este Senhor, uma vez que se tratam de inverdades direcionadas contra a nossa pessoa com a nítida intenção de alcançar objetivo ilegal e abusivo.

Não cedemos com as suas chantagens e ameaças, não iremos ceder agora e iremos apresentar a VERDADE!!!

O vereador João Marra (Patriota) não compareceu a reunião ordinária. Em ofício ele justificou alegando compromissos pessoais inadiáveis.

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.