Brasil apela para que Nicarágua respeite liberdades e promova diálogo

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O governo do Brasil acompanha com atenção os desdobramentos da crise na Nicarágua a e apela por um acordo de paz entre as partes. A crise deflagrada a partir de uma série de protestos desde o mês passado, em várias cidades, além da capital, Manágua, registra episódios diários de violência no país centro-americano. Em nota, o Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, pede respeito à liberdade e a busca por mecanismos pacíficos.

- Continua depois da publicidade -
Protestos na Nicarágua

Protestos na Nicarágua (EFE/Jorge Torres/Direitos Reservados)

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que pertence à Organização dos Estados Americanos (OEA), estimou na semana passada que 76 pessoas morreram e 868 ficaram feridas nas manifestações, enquanto 438 foram presas.

Os manifestantes protestam contra a repressão e a violência do governo do presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, e também criticam mudanças na Previdência Social.

“A suspensão dessas negociações constitui motivo de preocupação, e o governo brasileiro insta todos os atores envolvidos a retomarem, no marco do respeito às liberdades civis, o entendimento necessário a restabelecer, de modo construtivo, um mecanismo de solução negociada e pacífica.”

A nota diz ainda: “O governo brasileiro acompanha, com atenção, os desdobramentos da situação na Nicarágua e lamenta a perda de vidas humanas nos enfrentamentos entre manifestantes e as forças policiais”.

Os acordos são negociados pela Conferência Episcopal da Nicarágua, mas esbarram em uma série de entraves políticos. “O governo brasileiro reconhece a importância dos esforços de mediação e bons ofícios exercidos pela Conferência Episcopal da Nicarágua, que permitiram a instalação do diálogo nacional entre o governo nicaraguense e setores da sociedade civil.”

FONTE: Agência Brasil

- Continua depois da publicidade -

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -