Blocos afro dão toque étnico ao carnaval de Salvador neste sábado

Compartilhe

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS!
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Salvador - O tradicional bloco afro Ilê Ayiê nas ruas da capital baiana (Mateus Pereira/Gov-BA)

 O tradicional bloco afro Ilê Ayiê desfila nas ruas da capital baiana Mateus Pereira/Gov-BA/Arquivo

Um dos momentos mais aguardados do carnaval de Salvador acontece na noite deste sábado (12): a saída do bloco afro Ilê Aiyê, do Terreiro Ilê Axé Jitolu, conhecido como “O Mais Belo dos Belos”. Os blocos afros são responsáveis por levar para a avenida uma mistura de cores, ritmos e fé, com inspiração na ancestralidade africana.

Este ano, o bloco afro mais antigo do país desfila a partir das 22h, saindo do bairro do Curuzu em direção ao Circuito Osmar (Campo Grande e Avenida Sete de Setembro). Como manda a tradição, o Ilê é aberto por uma cerimônia religiosa em reverência aos orixás, com a abertura de caminhos para dar início à passagem da agremiação pelas ruas do bairro da Liberdade, com movimentos e letras que exaltam o orgulho de ser negro.

Esse ano, o Ilê Aiyê adotou o tema: “Mandela, a Azânia [nome aplicado informalmente à África do Sul] celebra o centenário do seu Madiba”, em homenagem a Nelson Mandela. Essa é a segunda vez, em 44 anos, que o bloco – que reúne, aproximadamente, três mil associados – homenageia Mandela.

Ícones carnavalescos

Além do tradicional desfile do Ilê, também ganham as ruas da capital soteropolitana hoje os blocos Olodum e Filhos de Gandhy, do Pelourinho; Muzenza, da Liberdade; Malê Debalê, de Itapuã; e o caçula Cortejo Afro, do Conjunto Pirajá I.

Horas antes da passagem do Ilê, o bloco Malê Debalê desfila no Circuito Osmar (Campo Grande), por volta das 19h30, com o tema de valorização da mulher; "Nzinga, Jokanas e Francisca: um poder feminista". O objetivo do bloco é conscientizar a sociedade sobre o respeito ao gênero feminino, com exemplos de mulheres que vão desde a Rainha de Angola, Nzinga; às índias baianas representadas pelas pataxós, Jokanas; e à mulher de Itapuã com uma figura icônica, Dona Francisquinha.

Já o bloco Muzenza passa pelo Campo Grande por volta das 20h30, com o tema "A América dos ritmos africanos", que exalta a ligação entre os dois continentes. Cerca de 2.500 pessoas vão desfilar pelas ruas do Centro com as diversas alas do bloco, como a das baianas.

Ao todo, 39 entidades carnavalescas ligadas ao movimento afro serão apoiadas pela prefeitura neste ano, com um aporte de R$ 1 milhão. As agremiações que receberam maior apoio foram Ilê Aiyê, Muzenza, Olodum, Filhos de Gandhy, Malê Debalê e Cortejo Afro.

Atrações

Neste sábado, 50 atrações estão programadas  nos dois principais circuitos da festa em Salvador: Dodô (Barra-Ondina) e Osmar (Campo Grande-Avenida Sete). No circuito Dodô desfilam os blocos de Bell Marques, Preta Gil, Léo Santana, Timbalada, Alinne Rosa, Psirico, Luiz Caldas e Pablo.

FONTE: Agência Brasil

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
A responsabilidade pelo comentário é totalmente do respectivo autor. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos serão removidos automaticamente. Achou um comentário ofensivo? Clique em "denunciar".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.