Arnaldo Queiroz enumera irregularidades no contrato da COPASA e explica como romper

Advogado foi convocado para depor na CPI que investiga supostas irregularidades na prestação de serviços pela COPASA.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Arnaldo Queiroz
Foto: Reprodução

Arnaldo Queiroz, procurador da Ação Popular contra a COPASA, prestou depoimento na tarde desta segunda-feira (12/07) no plenário da Câmara dos Vereadores de Patos de Minas.

Arnaldo enumerou falhas no contrato com a COPASA:

  • Ausência de processo licitatório;
  • Ausência de uma análise minuciosa do patrimônio transferido para a COPASA (rede esgoto);
  • Carência de um cronograma de implantação do tratamento de esgoto;
  • Não participação do município nos lucros obtidos pela COPASA com a concessão.

Arnaldo Queiroz também citou o fato da estrutura da rede municipal de esgoto, como canalização e similares, ter sido avaliada em R$ 39 milhões. O município recebeu cerca de R$ 9 milhões de indenização pelo patrimônio, ou seja, uma diferença de aproximadamente R$ 30 milhões. A avaliação foi feita por um perito, de nome Pérsio, e incorporada aos autos da ação popular.

Assista ao trecho da explicação:

A ex-prefeita (2009-2012), Béia Savassi (DEM), foi elogiada por Arnaldo Queiroz. O advogado revelou que a ex-gestora enviou um ofício “duro” a COPASA e enumerou inconsistências no contrato e solicitou a regularização, sob pena de rompimento. Arnaldo ainda disse dois prováveis motivos de Béia não ter rompido com a companhia: o primeiro a obtenção de recursos para o projeto urbanístico da Avenida das Paineiras e o fato do contrato prever a cobrança da taxa de esgoto de 2008 a 2010 (ou seja a ex-prefeita era obrigada a cumprir).

Arnaldo também explicou como o contrato com a COPASA pode ser rompido. Segundo ele, a companhia está inadimplente com o município. Ele mencionou um ofício enviado pelo presidente da COPASA ao ex-prefeito José Eustáquio (DEM), 2018, no qual se ofereceu uma compensação de R$ 16 milhões por não cumprir prazos. Assista:

A CPI é composta pela presidente, Profª Beth (DEM), pelo relator, José Eustáquio (PODEMOS) e os vereadores João Marra (PATRIOTA), Mauri da JL (MDB) e José Luiz (PODEMOS)
Foto: Gustavo Galvão

Assista a íntegra do depoimento:

Parte 1

CPI da COPASA

A abertura da CPI considerou uma denúncia fundamentada enviada à Câmara Municipal, bem como inúmeros problemas constatados pelos vereadores e pela população na prestação dos serviços da COPASA em Patos de Minas. A instalação da CPI aconteceu na reunião ordinária do dia 10 de junho de 2021 e teve a primeira reunião para escolha do presidente e do relator realizada também no dia 10 de junho, com a nomeação oficial por meio da Portaria n.º 1678/2021.

A CPI terá o prazo de 120 dias para concluir as investigações, podendo ser prorrogado por mais 60 dias, se necessário.


Leia também:

COPASA trata aproximadamente 20% do esgoto, afirma denunciante a CPI

Antônio do Valle cita corte de verbas caso o contrato não fosse assinado; assista

CPI da Copasa: Veradores fazem expedição pelo Rio Paranaíba

Arnaldo Queiroz, Béia Savassi e Pedro Lucas irão depor na CPI da COPASA

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NEWSLETTER

REPORTAR ERRO

Sua privacidade é muito importante pra nós! Usamos cookies, rastreadores, para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências. Os cookies não permitem acesso a informações particulares, como nome, endereço, etc. Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.