Acusado de matar Profº Gilmar é condenado mas recorrerá em liberdade

Gilmar Eustáquio da Silva, de 43 anos, foi morto com mais de 60 facadas em setembro de 2009.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Leandro Caixeta Alves acusado de matar cruelmente Gilmar Eustáquio da Silva, de 43 anos, foi julgado e condenado nesta quarta-feira (20/07) pelo Júri Popular do Fórum Olympio Borges em Patos de Minas.

A pena total foi fixada em oito anos e seis meses de reclusão, porém o réu poderá recorrer em liberdade. O juiz fixou sete anos por homicídio simples e mais um ano e seis meses por furto.

O professor era homossexual e teria se envolvido com o acusado afetivamente. Numa noite de 28 de setembro de 2009, houve um desentendimento. Leandro teria matado a vítima com cerca de 60 golpes de tesoura e de faca.

Gilmar Eustáquio da Silva era professor de língua portuguesa e trabalhava na Escola Estadual Guiomar de Melo e na Escola Estadual Major Augusto Porto, em Areado.

Relembre o crime

Em 28 de setembro de 2009, o Patos Notícias informou sobre o crime bárbaro que aconteceu num apartamento na Rua Diacui, bairro Caiçaras em Patos de Minas.

O professor de língua portuguesa, que atuava na educação básica, Gilmar Eustáquio da Silva, de 43 anos, foi brutalmente assassinado. Ele foi encontrado morto com vários golpes de faca e de tesoura no interior de próprio apartamento.

Era uma noite segunda-feira (28/09/2009) quando a Polícia Militar foi acionada por vizinhos.

“Os vizinhos relataram que ouviram barulhos no interior do apartamento na madrugada de domingo, como se tivessem arrastando móveis” informou o Tenente Gontijo em entrevista ao Patos Notícias.

No dia seguinte os vizinhos não viram Gilmar e perceberam que as luzes do apartamento estavam ligadas.

O corpo de Gilmar foi encontrado no chão da sala. De acordo com o delegado da época, Bruno Garcia, foram identificadas cerca de 60 perfurações. “A tesoura estava cravada nas costas dele e a faca estava jogada dentro do vazo do banheiro”.

A perícia identificou rastros de sangue do lado de fora do apartamento, que fica no segundo andar. O assassino saiu peça janela, caiu numa árvore e depois pulou o muro.

Amigas de Gilmar informaram que ele recebeu R$ 1,5 mil de um consócio. O dinheiro e uma máquina fotográfica desapareceram do apartamento. A hipótese era de latrocínio (roubo seguido de morte), contudo a investigação não ligou o sumiço do material com a ação do acusado. Por fim, ele foi indiciado por homicídio.

QUAL SUA OPINIÃO? COMENTE!

4 Comentários
O mais novo
Mais antigo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
AMADEU O RABO
21/07/2022 06:25

jornalista e juiz não vale um peido. um anofechado para cada tesourada era o ideal.

Revolta
20/07/2022 20:11

Mais de 60 golpes de faca e tesoura é legítima defesa?????? Essa é nossa justiça INFELIZMENTE

AMADEU O RABO
20/07/2022 16:48

O JUDICIARIO PERDEU A MORAL PARA GRANDE PARTE DA SOCIEDADE…. REAVER ESTA MORAL É QUASE IMPOSSIVEL.

Pirilampo da Silva
20/07/2022 10:39

Independentemente do réu ter roubado ou não, o simples fato de ter desferido “66 facadas” na vítima deve pegar pena máxima, isso nunca foi legítima defesa. São algumas leis mal feitas que deixam livres psicopatas assassinos pela sociedade.

A responsabilidade pelos comentários é dos respectivos autores. Eles não representam a opinião do Patos Notícias. Comentários com 15 votos negativos a mais que positivos são removidos.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REPORTAR ERRO

Usamos cookies para exibir anúncios e conteúdos com base em suas preferências.  Conheça nossa política de privacidade e nossos termos de uso.