Antônio Andrade, vice-governador de MG, é preso pela Polícia Federal

Prisão é em decorrência de investigação sobre suposto esquema na Agricultura. Antônio Andrade foi preso em uma fazenda no município de Vazante-MG.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Antônio Andrade é vice-governador de MG.
Foto: Reprodução (Agência Brasil)

A Polícia Federal desencadeou na manhã desta sexta-feira (09/11) a Operação Capitu, que é baseada na delação de Lucio Funaro, apontado como operador do MDB. O desdobramento da Lava Jato levou a prisão de Antônio Andrade (MDB), vice-governador de MG, dos executivos da JBS, Joesley Batista, Demilton de Castro e Ricardo, além de outras pessoas.

Segundo informações divulgadas pela TV Globo, a operação investiga suposto esquema de corrupção no Ministério da Agricultura durante o governo da presidente Dilma Rousseff (PT). Ainda segundo apurado pela emissora havia um esquema de arrecadação de propina dentro do Ministério da Agricultura para beneficiar políticos do MDB, que recebiam dinheiro da JBS, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, em troca de medidas para beneficiar as empresas do grupo.

- Continua depois da publicidade -

Em 2017, durante delação premiada à Procuradoria-Geral da República, o empresário Joesley Batista revelou que atuou com o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) e Lúcio Funaro em esquema de corrupção no Ministério da Agricultura para favorecer as empresas.

Mandado de busca e apreensão é cumprido no gabinete de Antônio Andrade. Até o momento o político não se pronunciou.

O político do MDB é natural de Patos de Minas e possui forte influência na região do Alto Paranaíba/Triângulo Mineiro.

A assessoria do vice-governador se manifestou através de nota enviada a redação do Triângulo Notícias no início da tarde de sexta-feira (09/11)

“Haverá manifestação tão logo a defesa tome conhecimento do conteúdo do inquérito. Durante o depoimento, Antônio Andrade respondeu tudo o que lhe foi perguntado e colaborou com o trabalho da Polícia Federal”.

Já no domingo (11/11) um comunicado, mais amplo, foi enviado a nossa redação. Confira a seguir:

O vice-governador de Minas Gerais Antônio Andrade (MDB), surpreendido com a decretação de sua prisão provisória por 5 dias, esclarece aos mineiros que prestou depoimento e não usou do seu direito de permanecer em silêncio. Ao contrário, fez questão de responder todas as perguntas, prestar as informações solicitadas colaborando com a Justiça para o esclarecimento dos fatos.

Reafirma a sua inocência e declara não ter realizado, quando esteve à frente do Ministério da Agricultura, nenhum ato em benefício do Grupo JBS ou mesmo ter recebido qualquer vantagem indevida, e que renunciou ao seu sigilo bancário e fiscal disponibilizando à Justiça suas declarações de bens e de seus familiares.

Acrescenta que os atos e as prestações de contas de suas campanhas foram feitas em conformidade com a legislação em vigor e devidamente aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Esclarece que não é verdade que tenha sido indicado para os cargos de Ministro e de vice-governador por força de quaisquer interesses escusos, mas sim porque possui 30 anos de vida pública, com um passado limpo e uma história de dedicação na busca do bem comum.

Por fim, agradece a todas as manifestações de apoio e solidariedade recebidas registrando sua confiança no Poder Judiciário.

Por meio de nota, a defesa de Joesley informou que a prisão de seu cliente foi recebida com “estranheza”, uma vez que o empresário é colaborador da Justiça, função que estaria sendo cumprida “à risca”.

“Causa estranheza o pedido de sua prisão no bojo de um inquérito em que ele já prestou mais de um depoimento na qualidade de colaborador e entregou inúmeros documentos de corroboração.

A prisão é temporária e ele vai prestar todos os esclarecimentos necessários”, diz a nota, em declaração atribuída ao advogado André Callegari.

Outros presos na operação

  • João Magalhães, deputado estadual pelo MDB de MG
  • Neri Geller, deputado federal eleito pelo PP de MT e ministro da Agricultura de março de 2014 a dezembro de 2015
  • Rodrigo Figueiredo, ex-secretário de Defesa Agropecuária
  • Mateus de Moura Lima Gomes, advogado
  • Mauro Luiz de Moura Araújo, advogado
  • Ildeu da Cunha Pereira, advogado
  • Marcelo Pires Pinheiro
  • Fernando Manoel Pires Pinheiro
  • Walter Santana Arantes
  • Claudio Soares Donato
  • José Francisco Franco da Silva Oliveira

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -