Alunos de Jornalismo do UNIPAM promovem Dia da Diversidade

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Foto: Divulgação

Alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM), sob orientação das professoras Suelen Darc e Carlen Fonseca, promoveram nesta terça-feira (10), no auditório do Bloco E, o “Dia D – Dia da Diversidade”.

O evento teve como objetivo ampliar o debate sobre as questões de gênero dentro do espaço acadêmico, transformando colaboradores, alunos e professores em cidadãos mais conscientes.

- Continua depois da publicidade -

Segundo a professora Suelen Darc, que orientou os alunos durante a etapa inicial, para que o projeto fosse colocado em prática, tornou-se necessário realizar inicialmente, um aparato acadêmico. “No primeiro semestre, eles realizaram uma pesquisa que corresponde a estrutura de uma monografia. Em seguida, fizeram uma pesquisa voltada para as causas LGBT, o surgimento das primeiras manifestações. Essas pesquisas foram responsáveis por fomentar  o trabalho”, explicou a professora.

Na oportunidade, diversas atividades foram promovidas. No período da manhã, foi realizada uma mesa redonda que debateu o tema “Mais educação, mais diversidade, mais transformação” e contou com a presença da Coordenadora de Gestão de Pessoas, professora Kaísa Santana, do Presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Mauro Maciel e do professor do curso de Direito, Gabriel Canedo.

No período da tarde, foi promovido um treinamento e uma palestra para os colaboradores da instituição, que discutiu o tema “Mais que aceitar é preciso acolher”, onde participaram a professora Suelen Darc e o vereador Isaías Martins.

Para encerrar foi realizada uma palestra com a Drag Queen, Lorelay Fox, que abordou o tema “Homofobia no ambiente acadêmico, precisamos curá-la”.

Dentro da programação do “Dia D”, foi promovida também, uma exposição fotográfica. Segundo Bruna Nunes, uma das idealizadoras do projeto, as pessoas que compõe a exposição fazem parte do meio LGBT. Assim ao olharem as fotografias, quem fosse do meio, mas não estivesse na exposição, se sentiria representado. “A exposição é tratada como as minorias dentro do meio LGBT, com cadeirantes, negros, brancos, casais homoafetivos, retratando modelos que outras pessoas olhassem e se reconhecessem dentro da exposição”, afirmou Bruna Nunes.

Segundo o vereador Isaías Martins, o respeito está acima de tudo. “Mais que respeitar é preciso acolher e amar. Mais eventos como esse devem ser realizados para ‘abrir a cabeça do povo’, para que as pessoas entendam que você não é obrigado a aceitar o outro, mas sim, respeitá-lo”, afirmou Isaías Martins.

De acordo com o Reitor do UNIPAM, professor Milton Roberto de Castro Teixeira, debater todo o tipo de diversidade é fundamental. “Como somos um Centro Universitário e nosso objetivo é formar cidadãos, esse processo que a gente está fazendo aqui é exatamente isso, criar oportunidade não só para o nosso aluno, mas para toda a comunidade. Que a gente tenha nível de igualdade para todos, seja de trabalho, de relacionamento e de convívio, isso é o mais importante”, explicou Milton Roberto.

Segundo a professora Carlen Fonseca, para que o Dia da Diversidade fosse um sucesso, muito planejamento foi necessário. “Essa preparação tem vindo de alguns meses. Durante as orientações nós decidimos os palestrantes que poderíamos convidar, além de definirmos cada detalhe”, explicou Carlen Fonseca.

De acordo com o colaborador do UNIPAM, Djalma Moreira, o evento é de extrema importância, uma vez que vai de encontro ao contexto educacional da instituição. “O treinamento veio para trabalhar com questões que não conseguimos lidar. Às vezes por um desconhecimento, não atendemos as pessoas como elas devem ser tratadas”, afirmou Djalma Moreira.

Paralelamente ao projeto, os alunos desenvolverão também o Portal da Diversidade, que segundo o aluno Felipe Melo, estará disponível em breve. “O Portal terá uma série de matérias disponível em diferentes mídias, voltadas para questões da diversidade. O primeiro público é o LGBT, mas nós podemos trabalhar também intolerância religiosa, acessibilidade dos deficientes, questões raciais, dentre outros. Todas essas questões estarão disponíveis no formato multimídia, que as pessoas poderão acessar a vontade”, explicou Felipe Melo.

Sarah Dieine – ASCOM  UNIPAM

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -