Advogada explica novas regras do Licenciamento Ambiental de Minas Gerais

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Foto: Divulgação

No dia 06 de março de 2018 está previsto para entrar em vigor a Deliberação Normativa COPAM nº 217 que, em 06 de dezembro de 2017, revogou a Deliberação Normativa COPAM nº 74/2004 e definiu novas regras para o licenciamento ambiental no Estado.

Isto significa que as novas regras atingirão tanto os novos processos de licenciamento ambiental quanto os que já estão em andamento, inclusive os corretivos e os de renovação. As leis já serão aplicadas caso o empreendedor não se manifeste no prazo de 30 dias requerendo a continuidade do processo na modalidade já orientada ou formalizada.

- Continua depois da publicidade -

Dentre as principais mudanças, podemos salientar o critério locacional, que passa a ser considerado, para fins de definição, a modalidade de licenciamento ambiental. Este critério será avaliado de acordo com a relevância e a sensibilidade dos componentes ambientais do local aonde se pretende instalar o empreendimento, como: área em unidade de conservação de proteção integral; em unidade de conservação de uso sustentável; em reserva biosfera; no corredor ecológico formalmente instituído e em áreas designadas como de drenagem a montante de trecho de curso d’água e em áreas de alto potencial de ocorrência de cavidades.

Ressalta-se ainda, as novas modalidades de licenciamento ambiental:

1)      O licenciamento ambiental trifásico (LAT), no qual a LP, LI e LO são concedidas em etapas sucessivas.

2)      O licenciamento ambiental concomitante (LAC), que se divide em:LAC1, no qual as licenças prévia, de instalação e de operação são concedidas em fase única (LP + LI + LO); e a LAC2, no qual as licenças prévia e de instalação ou as licenças de instalação e de operação serão emitidas de forma concomitante.

3)      O licenciamento ambiental simplificado (LAS), que se divide em:

– LAS-RAS: realizado em uma única etapa,mediante apresentação de relatório ambiental simplificado, contendo a descrição da atividade ou do empreendimento e as respectivas medidas de controle ambiental.

-LAS-cadastro: realizado em uma única etapa, mediante o cadastro de informações relativas à atividade ou ao empreendimento em sistema eletrônico. A licença será expedida por meio eletrônico.

Dentre as exceções, estão:

– Os empreendimentos já licenciados, para os quais as ampliações poderão regularizar por meio de LAC1 (LP + LI + LO), a critério do órgão ambiental.

– Para os aeroportos regionais já regularizados, a ampliação nos limites do sítio aeroportuário que seja considerada de baixo potencial de impacto ambiental deverá ser regularizada por meio de LAS/RAS.

– Também poderão ser licenciadas na mesma modalidade (LAS/RAS) a recapacitação ou repotenciação de pequenas centrais hidrelétricas (PCH), desde que satisfeitas algumas condições.

A nova DN menciona as atividades com expressa vedação ao licenciamento ambiental por meio do LAS-cadastro. Estas são, em linhas gerais, as principais informações sobre o novo licenciamento.

Por: Cristiana Nepomuceno de Sousa Soares
Advogada do Nepomuceno Soares Sociedade de Advogados

QUAL SUA OPINIÃO ? COMENTE!

Os comentários não refletem a opinião do portal. Não nos responsabilizamos por eles e em caso de descontentamento use a opção “Denunciar ao Facebook”. Você está sujeito aos nossos Termos de Uso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

- Continua depois da publicidade -